A foto não revelada

A paisagem de Grazi

Por Grazi

– Desculpa moça! Aqui não tem nada bonito para fotografar pra você.

Uma frase dita depois de três minutos com a câmera na mão. Um sorriso envergonhado. Que vontade de chorar!

A menina de oito anos apareceu em nossa primeira visita ao Jardim Maravilha, a maior favela da Cidade Tiradentes. O nome dela é Graziele como o meu, mas as semelhanças acabaram aí. Aos oito anos, aquela Grazi frequenta a escola quando a polícia a deixa passar. Utiliza a mesa improvisada do lado de fora do barraco para fazer alguns rabiscos no caderno com o único lápis que tem.

“Eu também quero fazer faculdade, assim como você”, disse a menina enquanto usava minha câmera fotográfica para registrar o lugar onde vive. Podridão e calor. Esse seria o aroma da fotografia de Grazi.

A menina decidiu procurar algo para fotografar do lado de fora do pequeno barraco. Pia, sofá e uma TV com a imagem borrada. Ao centro do único cômodo construído sobre o chão de terra batida está a cama de casal, que a garota divide com os pais desempregados e um irmão frequentemente embriagado.

Olhando a cena por trás, vi quando a pequena desistiu de encontrar um bom ângulo para fotografar os canos, que despejam esgoto no córrego que passa atrás de sua casa. Água suja, ratos, cachorro brincando com esgoto. O dedinho de Grazi estava aflito sobre o clique da máquina. Ela procurou, procurou e depois dos três minutos mais longos da minha vida voltou o rosto com ar de decepção e me pediu desculpas.

Ah! Gole grosso esse que desceu pela minha garganta. A saída do momento foi embarcar na busca de uma paisagem bonita para fotografar. Duas garotas com o mesmo nome e, naquele momento, com o mesmo objetivo. Varrer com o olhar cada centímetro do quintal da menina em busca de uma boa foto. Uma foto que representasse o meu pedido de desculpas por não fazer nada para que o cenário da vida dela ficasse mais bonito.

Um papagaio de madeira. Uma árvore. Um céu. Cenas que são bonitas no asfalto ou na favela. Tiramos a fotografia. Ganhei um abraço, uma foto e a falsa impressão que conforta os impotentes.

O gole grosso volta a descer agora quando aperto o botão de stop ao final de nosso vídeo de 32 minutos. Grazi não faz parte de nosso documentário. Sua história está contada apenas em nossas mentes. Como gostaria de ter uma câmera nos olhos.

Doze visitas se seguiram à primeira que fizemos ao Jardim Maravilha. Em nenhuma delas Grazi voltou. “Ela está brincando”. “Está na casa de uma amiga”. Entre uma olhada e outra para nosso equipamento de gravação, essas eram as respostas de seu pai, cada dia mais embriagado e menos paciente. Em um dia ouvimos de uma garota que Grazi havia fugido de casa. Que tinha ido para a rua. Impotência. Nó. Revolta. Grazi foi procurar na rua uma cena melhor para fotografar. Grazi, espero que você faça faculdade!

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Atitude pra mudar

Gui Ribas

Segundo um levantamento da ONU, cerca de um bilhão de pessoas mora em favelas ou cortiços em todo o planeta. O secretário -geral da organização, Ban Ki-Moon, afirmou que esse número pode chegar a três bilhões até 2050 se nada for feito.

Só no Brasil, mais de 54 milhões – ou seja, 34,5% da população urbana – ainda vivem em condições inadequadas de moradia. Esses números mostram que praticamente um em cada três brasileiros, que vivem nas cidades, não tem condições dignas de moradia.

Essas pesquisas podem até preocupar os governantes, mas daí a tomar ações efetivas para começar a mudar essa realidade há uma grande distância. Especialistas afirmam que o quem tem sido feito no Brasil para tirar as pessoas de condições subumanas de moradia está longe de atingir resultados relevantes.

Ao caminhar pelas ruas da favela, é notório que a insatisfação é generalizada. Afinal, quem gosta de conviver com fezes, chuva, ratos? Que as tais “medidas eficazes’ saiam do papel e comecem a mudar de fato a vida de quem clama por melhorias.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Qual o valor de ter um quarto, uma cama pra dormir?

Quarto de Marina (personagem do Doc)

Quarto de Marina (personagem do Doc)

 Nosso webdocumentário irá tirar essa dúvida… Aguarde!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Simone de Deus

Rafael Martini

Em nossa última visita na CT havíamos nos programado para entrevistar a Marilze, educadora, e mais as crianças que pudessem nos contar um pouco sobre as diferenças escancaradas entre os alunos que vivem em conjuntos habitacionais e aqueles que moram na favela.


O que não esperávamos era conhecer  Solange. A moradora do Jardim Maravilha, que passava pelo apartamento da irmã de Deus, Francisca, como elas mesmas se identificaram, aproveitou a presença de nossa câmera e pois pra fora a indignação guardada por toda uma vida.


Um dos assuntos tratados por ela e que mais nos indignou foi a relação dos moradores da comunidade com a segurança.
A seguir a transcrição do que disse Solange, por ela mesma.


“Uma vez eu tava dormindo… na minha casa, ne….e…eu acordei pensando que era as crianças..e quando eu levantei..o policial tava dentro da minha casa..dentro da minha cozinha…mexendo no armário, revendo tudo…os alimentos..tudo…e eu perguntei pra ele.. porque ele não tinha autoridade de entrar dentro da minha casa…ai ele falou assim: 
– A, mais isso aqui é favela!
Ai eu disse..a gente é favela, mas a gente somos cidadão…..a gente somos igual vocês..que tão fazendo seu trabalho,..então devido isso eu falei….vocês  tem que ter respeito…tem que ter mandado…e ele me respondeu assim, que quem mandava ali era eles”

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Personagem

MARILZE

MARILZE

Marilze. Uma de nossas personagens. Mora na CDHU, numa casa com mais 8 pessoas.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Mais fotos da CT

DSC02824

DSC02714

DSC02823

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Favela Jardim Maravilha

DSC02772

1 comentário

Arquivado em Uncategorized